Velas Erradas, Falhas e Terríveis Coincidências

| 2 de maio de 2013 | Nenhum Comentário

Defeitos complicados de verdade, são aqueles que já romperam horas de diagnóstico, e nada se descobriu. Agora imagine o que se pode pensar de defeitos colocados, vou explicar:

Um carro em bom estado que entra em uma oficina para uma revisão, pode pegar uma doença Hospitalar, sim, um defeito novo pode surgir durante a permanência na oficina e esse é um dos defeitos mais complicados de se resolver. Falhas humanas, sejam por falta de conhecimento, peças de baixa qualidade, peças de marcas conhecidas com defeito de fabricação e a comum desatenção humana, podem desencadear uma sucessão de fatos que acabam por manifestar o Frankenstein dos defeitos. É preciso levar em conta que coincidências acontecem, e acontecem bastante.

REFLEXÃO

Vamos pintar o quadro de um pintinho (filho de galo e de uma galinha) ensanguentado, onde um carro entra na oficina para uma revisão e as terríveis coincidências ocorrem:

1 – Ao substituir a vela, o estoquista fornecesse ao reparador um jogo de velas de ignição de um carro a gasolina, sendo que o veículo é Flex.

  • A vela fornecida era nova, mas de construção diferente à recomendada, e provocou uma grave interferência no sistema eletrônico do carro, ou seja, o mecânico não verificou o código do produto, já que pediu por escrito a correta, e confiou no estoquista (humano).

2 – O óleo aplicado foi um dos permitidos pela montadora, mas foi o mais barato e mais viscoso.

  • O óleo mais viscoso, dificulta a partida a frio e aumenta naturalmente o consumo do motor. Muitas montadoras permitem mais de uma especificação de lubrificante para o motor, mas a diferença dessas opções pode levar o proprietário a optar pelo mais barato e nesse caso o barato poderá sair caro, pois óleo não é tudo igual como alguns desavisados costumam ACHAR!

3 – Foi realizado uma pequena solda no pé de coluna junto a porta do motorista para o conserto de uma pequena ferrugem.

  • A solda, chamuscou um conjunto de cabos da injeção eletrônica que passava por dentro da coluna e fez com que alguns fios se encostassem causando um curto ao circuito que pode envolver o sinal de sensores misturado à ordens aos atuadores e fazer uma lambança eletrônica cabeluda, nesse caso até mesmo o Scanner pode perder a possibilidade de se comunicar com o módulo de injeção pois é um rolo dos diabos.

4 – Foi substituído o filtro de combustível.

  • O filtro foi montado em sentido errado e seu elemento filtrante, feito de papel, se dobrou e obstruiu o filtro, e com isso, a Vazão e a pressão da bomba de combustível foram prejudicadas, e o tempo de injeção de combustível vai ser alterado pelo módulo de controle, e ai começa um rolo daqueles!

5 – Foi substituída a correia dentada.

  • A sincronia do motor foi prejudicada por um pequeno erro na montagem e ou o ponto de ignição não foi aferido devidamente. Nesse momento é que o caldo entorna, pois alguns super técnicos de injeção logo mergulham na elétroeletrônica quantica da galáxias e deixam de olhar o ponto do motor e ai se vão inúmeras peças trocadas desnecessariamente e o buraco no orçamento despinguela a aumentar!

6 – A bateria descarregou.

  • A maioria dos carros atuais fazem uma leitura dos parâmetros da injeção nos primeiros segundos de acionamento da chave de ignição e qualquer problema irá se manifestar imediatamente, pois antes ele sofreu uma adaptação progressiva, mas agora a estória é outra.
  • O módulo de controle da injeção pode ter passado por alterações em seu chip, para elevação de potência ou outros que agora vão confundir o reparador.
  • Alguns projetos de módulos de comando possuem uma memória pequena e quando os ajuste automáticos lotam esse espaço um problema complicado poderá ocorrer ainda dentro da oficina e somente a limpeza da memória resolverá essa pane.

7 – Foram trocadas peças eletrônicas entre outras.

  • As peças são de marcas desconhecidas, muitas vezes importadas e ainda não trazem sequer embalagens com o nome do fabricante e não geram a metade da eficiência real desejada e a fé nessas peças é algo que transforma o defeito em um filme de terror.

8 – O cambio automático teve seu fluído trocado, já que a quilometragem de troca foi atingida, segundo o manual do veículo.

  • A tela interna de filtragem está contaminada e uma grave bolsa de ar se formou e o cambio acabou sofrendo danos graves ainda dentro da oficina. É altamente recomendado que a substituição do fluído do cambio se feita em uma empresa super, hiper especializada no assunto.

É possível descrever mais uma centenas de azares do destino, mas a dica é lembrar que estes erros são humanos, e desconfiar de nossos próprios passos é o mais sábio conselho que posso pensar, pois somos humanos e erramos naturalmente, o tempo todo!

BANNER ARTIGOS

Categoria: Artigos, Falha Motor, Injeção Eletrônica

About the Author ()

Profissional do ramo automotivo, dedicado a fornecer as informações necessárias, para a construção de uma relação positiva entre os consumidores e reparadores.