Rodas travam após manutenção nos freios

| 12 de agosto de 2014 | Nenhum Comentário

Fez uma bela revisão nos freios e ao sair da oficina as rodas passaram a travar?

 

O sintoma aqui tratado possuí algumas variáveis e você precisa ter em mente que interpretação do real sintoma é fundamental para resolver um problema de freios pós revisão, ou seja, se os freios já saíram travados da oficina ou se o sintoma se manifesta após algumas freadas, pois essa informação exata pode levar o profissional resolver o problema de forma simples e rápida caso contrário ele pode se enrolar feio, sem deixarmos de levar em consideração que o carro foi para a revisão sem sintoma algum nos freios, entenda os possíveis motivos.

 

pedal de freio

Os freios do seu carro não são itens hiper mega complexos, em uma olhada mais próxima é possível detectarinúmeros defeitos, mas e quando o defeito é colocado? Sim, os piores defeitos em sistemas de freios são colocados, ou seja, o carro não apresentava qualquer anomalia mas uma simples distração, falta de experiência ou tentativas de se pegar atalhos, podem colocar um bom profissional em situação de horror.

 

CASOS INTRIGANTES

1- Veículo trava as rodas após algumas frenagens em movimento.

DEFEITO

Geralmente o defeito é causado por profissionais inexperientes que tentam melhorar o curso do pedal de freio que está freando o veículo apenas na metade de seu curso (freio baixo).

SOLUÇÃO

Regular o varão entre o cilindro servo freio e o cilindro mestre, diminuindo o seu curso.

DEFEITO REAL

O pedal geralmente abaixa por defeito no cilindro mestre, ar no sistema, vazamento ou em especial, por falha no regulador de freio traseiro que deveria manter as lonas próximas dos tambores, ou seja, quando as lonas de freios estão distantes, é que ocorre o sintoma de pedal baixo de forma constante.

DEFEITO COLOCADO

Quando o primeiro profissional regulou o varão de acionamento do cilindro mestre, o sintoma de pedal baixo desapareceu, mas quando o freio traseiro foi devidamente regulado, os freios passaram a travar após algumas frenagens, sendo assim o ultimo profissional precisará afastar o cilindro mestre e desfazer a hiper regulagem feita pelo primeiro profissional que não soube resolver o defeito real e se valeu da regulagem do varão, plantando um problema. 

 

2 – Freios duros intermitente.

DEFEITO

O proprietário reclama de freio duro intermitente, ou seja, tem hora que o pedal fica alto e duro e não para o veículo.

Foram trocadas inúmeras peças, incluindo, flexiveis, válvulas proporcionadoras, cilindro mestre e até o servo freio.

SOLUÇÃO

Substituição da válvula de retenção de vácuo do servo freio que travava aberta de forma intermitente, o que impedia a ação do vácuo sobre o servo freio.

 

3 – Freio trava após a troca das pastilhas.

DEFEITO

Infelizmente algumas mangas de eixo são empenadas por pancadas, choques térmicos ou mesmo por mau manuseio em troca de rolamentos.

Ao trocar as pastilhas, o profissional aplica uma peça mais grossa (nova) o que poderá travar a roda, pois a pinça está desalinhada devido ao fato do suporte da peça ser fixado a manga de eixo com seu suporte empenado, ou seja, com uma pastilha gasta, tudo vai bem, mas ao trocar, o problema surge.

Outro problema muito comum é o travamento do pistão da pinça ou mesmo de seus pinos guia.

 

4 – Freio ineficiente, levemente duro.

DEFEITO

O pedal de freio não falha totalmente, e a troca de inúmeras peças não resolve o problema.

SOLUÇÃO

O servo freio é a peça responsável por auxiliar condutor a frear o veículo e ele pode estar defeituoso, ou o vácuo por ele utilizado estar deficiente, seja por uma entrada falsa de ar ou por deficiência de vácuo causada por um motor fora de sincronia mecânica, falha na borboleta de aceleração, defeito nas válvulas do cabeçote, filtro de ar entupido ou mesmo sistema de exaustão obstruído.

BANNER ARTIGOS

Tags: , , , , , , , ,

Categoria: Freios

About the Author ()

Profissional do ramo automotivo, dedicado a fornecer as informações necessárias, para a construção de uma relação positiva entre os consumidores e reparadores.