O motor não pega? Veja nossas dicas!

| 16 de janeiro de 2014 | Nenhum Comentário

Conheça alguns passos lógicos para diagnosticar defeitos que impedem que o motor do seu carro funcione.

Antes de procurar ou chamar seu mecânico para socorrer seu veículo, você precisa diferenciar se seu carro não pega ou não dá partida, ou seja, o sintoma de falta de combustível é o melhor exemplo de um carro que está dando partida e simplesmente não está pegando por falta de combustível. Um carro que não dá partida é aquele que ao ser empurrado passa a funcionar no tranco, ou seja, ele pega e apenas não dava partida, talvez por um defeito no motor de partida ou na bateria, por exemplo.

MOTOR NÃO PEGA.

O motor de seu carro apresenta o sintoma clássico de falta de gasolina, mas mesmo após completar o tanque, o motor insiste não entrar em funcionamento, é ai que o diagnóstico básico começa.

DIAGNÓSTICO BÁSICO

Um erro muito comum é se deixar levar pela especialidade, ou seja, um técnico de eletrônica pode partir imediatamente em busca de um componente eletrônico defeituoso e o problema não passar de simples falta de combustível e por isso vamos subir um degrau de cada vez através de alguns exemplos relevantes.

TANQUE SECO

Após uma rápida verificação do painel é possível notar que o tanque ainda contem 1/4 de combustível e a falta de combustível pode ser descartada, mas atenção, pois o marcador pode estar defeituoso e na verdade o tanque está seco.

Após abastecer o tanque até a boca o motor insiste em não pegar, mas isso pode estar ocorrendo por que a bomba de combustível responsável pelo fluxo de combustível ao motor está pifada, seus fios possuem um mau contato, o fusível pode estar queimado ou outros componentes podem ter falhado provocando o mau funcionamento da bomba, o que inclui até mesmo um filtro de combustível obstruído.

No caso da bomba estar funcionando, ainda é preciso descobrir se a pressão da mesma é a adequada para que o motor seja alimentado, e para isso é preciso aferir essa pressão com um manômetro apropriado.

BICOS INJETORES

Os bicos injetores são as eletroválvulas que controlam o fluxo injetado de combustível na câmara de combustão e mesmo que a pressão de combustível exista, se o bico injetor não receber a ordem (pulso), o combustível não vai ser injetado e o motor não vai pegar.

IGNIÇÃO

As velas de ignição são peças fundamentais em motores ciclo oto, pois inserem as faíscas dentro dos cilindros do motor, faíscas estas que detonam a mistura ar combustível, mas o item principal a ser avaliado em um motor que não funciona é a presença das faíscas de ignição, ou seja, se a bobina não fornecer a faísca, a combustão não ocorrerá.

COMPRESSÃO E SINCRONIA DO MOTOR

A compressão é um item fundamental para o funcionamento do motor, ou seja, não adianta termos ignição e injeção de combustível, pois a falta de compressão vai influenciar diretamente no resultado do funcionamento do motor. A compressão pode estar ruim, por exemplo, por um dano mecânico, junta de cabeçote queimada, trincas ou até mesmo por um motor com problema em sua sincronia, seja por erro de montagem ou mesmo a quebra da correia dentada ou de outros componentes responsáveis pela sincronia mecânica da máquina.

OUTROS

Inúmeras falhas podem ocorrer, e listamos algumas abaixo, mas como já dissemos no começo desse artigo, o erro comum é passar reto em busca de outros itens sem ter avaliado a injeção, ignição e compressão do motor.

Outras possibilidades.

  • Obstrução do sistema de escape.
  • Falha em sensores da injeção, como o de rotação.
  • Combustível errado ou adulterado.
  • Presença de alarme não original com pane.
  • Acionamento do sistema de imobilizador por pane ou falha no reconhecimento da chave.
  • Problemas elétricos.
  • Problemas mecânicos do motor.
  • Atuadores da injeção defeituosos.
  • Interruptor inercial.
  • Outros.

BANNER ARTIGOS

Categoria: Elétrica, Falha Motor, Injeção Eletrônica, Motor Mecanica

About the Author ()

Profissional do ramo automotivo, dedicado a fornecer as informações necessárias, para a construção de uma relação positiva entre os consumidores e reparadores.