Modo Atuadores – Diagnosticando defeitos sem troca de peças

| 4 de setembro de 2014 | Nenhum Comentário

Conheça uma função do scanner automotivo que pode auxiliar no diagnóstico rápido e preciso.

A manutenção pode ser dividida em várias categorias, mas as mais comuns são a corretiva e a preventiva, ou seja, a corretiva pega você com as calças na mão e a preventiva é a manutenção programada que deu tempo para que proprietário junta-se recursos para dar aquele talento no *poçante.

A preocupação do consumidor quanto ao diagnóstico preciso em uma corretiva é super compreensiva no quesito “despesa real e necessária”, sendo assim, o reparador deve se valer de todas suas armas, com atenção e carinho, para satisfazer e fidelizar seu cliente em um momento crítico, que se traduz, em um carro quebrado na hora mais inoportuna. Todos somos consumidores de produtos e serviços e desejamos nos deparar com profissionais capacitados e bem equipados que saibam tirar o máximo de suas ferramentas.

FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS

Existem ótimos equipamentos no mercado ao alcance do reparador, mas nem sempre o reparador aproveita ao máximo as funções do que tem em mãos e vamos tecer alguns comentários sobre as mais interessantes no dia a dia.

MODO ATUADORES

O módulo de controle da injeção é um computador, possuí processador, memória RAM, ROM entre outros milhares de componentes que juntos trabalham baseados nas informações oriundas dos sensores e de sua própria programação, mas e quando uma informação dessa não chega o módulo, como realizar um trabalho eficiente? Por exemplo, acionar uma ventoinha para refrigerar o radiador, pulsar um bico injetor ou mesmo ordenar no momento certo a liberação da faísca da bobina para as velas de ignição? A entrada desses dados é facilmente avaliada através da própria tela do scanner (aparelho), já que o módulo informa ao reparador, por exemplo, a temperatura recebida por ele de um sensor fixado no motor, contribuindo, ou não, para o acionamento correto do eletroventilador. Existe ainda, uma função muito pouco explorada pelo reparador, que se trata do acionamento dos atuadores pelo scanner, ou seja, o reparador conecta o equipamento e solicita ao módulo de controle ativação de uma atuador, procedimento que permitirá uma avaliação lógica dos componentes internos ao módulo, conector, fiação externa, relês e até mesmo fusíveis através da constatação de seu perfeito acionamento, ou não. A mesma técnica ou função é válida para outros atuadores, como, bobina, bicos, válvulas, incluindo sistemas diferenciados, como, freio ABS, direção hidráulica, freios elétricos, painel, transmissão e muitos outros.

MÓDULOS IMOBILIZADOS E TESTES NA BANCADA

No dia a dia o reparador se depara com motores que não pegam, as vezes por falhas em sistemas de bicos ou bobinas, mas como testar estes sistemas se o módulo pode estar bloqueado por um sistema de imobilizador (anti furto)? A reposta novamente é o modo atuadores, ou seja, o reparador conecta o scanner e ordena o acionamento dos injetores e bobinas normalmente, testando as funções internas do módulo. O reparador ainda pode ligar o módulo externamente e realizar os mesmos testes, ou seja, se o módulo não aciona bicos ou bobina quando conectado ao carro, mas na bancada sim, é por que algo na parte elétrica do veículo está com problema.

DEFEITOS INTERMITENTES

São muito raros os defeitos intermitentes que se originam dentro dos módulos, mas eles acontecem, principalmente em peças que já foram concertadas, que as vezes apresentam soldas frias ou contaminações, até mesmo por má vedação, por isso é bom atendar aos fatores externos, como umidade em conectores, terminais frouxos, sujos ou fusíveis e relês danificados, sem deixar, claro, de lembrar que aterramentos e interferências eletromagnéticas fazem parte do dia a dia do diagnóstico automotivo.

BANNER ARTIGOS

Categoria: Injeção Eletrônica